menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Vereador vai ao MP contra escola militar

Prefeito de Campinas, Jonas Donizette, pediu ao governo federal que implante uma escola militarizada na cidade

Blog da Rose

08h27 - 24/10/2019

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O vereador Gustavo Petta (PCdoB), juntamente com instituições da sociedade civil, vai impetrar ação junto ao MP (Ministério Público), contra a implantação de escola cívico-militar em Campinas. O prefeito da cidade, Jonas Donizette(PSB), formalizou a adesão ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares do Ministério da Educação. O bom nível de ensino é um fator para a decisão do chefe do Executivo campineiro. O governo federal pretende implantar 54 escolas militares no Brasil.

Vereador vai à Justiça para impedir implantação de escolar militar na cidade/Divulgação/Câmara

A decisão de ir à Promotoria ocorreu após o debate realizado na Comissão de Educação e Esporte da Câmara Municipal sobre o assunto e que reuniu professores, educadores, gestores, psicólogos e estudiosos sobre militarização das escolas. O grupo também pretende fazer uma manifesto contra o pedido.

“Já há uma resolução do Conselho Nacional dos Procuradores Gerais contra esse projeto questionando a legalidade na gestão democrática e o princípio da reserva legal e a contrariedade com a Lei de Diretrizes e Bases e o Plano Nacional de Educação”, disse Petta.

Para Catarina de Almeida Santos, professora da Universidade de Brasília e membro da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, é necessário distinguir os tipos de escolas com militares na gestão.

As escolas militares são geridas pelas Forças Armadas e com recursos próprios dessas instituições. Já as escolas estaduais militarizadas são escolas públicas, de ensino fundamental e médio que tiveram as gestões transferidas para instituições militares, como a Polícia Militar. O modelo tem sido amplamente usado em estados como Goiás e Amazonas.

Já o conceito de escolas cívico-militar é novo e criado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. “O atual governo não está fazendo a proposta de criar uma escola militar. A proposta é de pegar a escola pública e militarizá-la”, alertou a professora.

A professora Débora Mazza, da Faculdade de Educação da Unicamp, destacou que a escola tem uma função social específica na sociedade e que a escola pública gerida pelo Estado é “laica para todos e deve operar de modo concomitante e não concorrencial com outras instituições importantes, como a família, mundo privado, religião e segurança”.

Segundo a assessoria do vereador, o Ministério da Educação e a Secretaria Municipal de Educação não enviaram representantes para debate.

Outro lado

Quando das críticas feitas pelos vereadores da oposição sobre a sua intenção, o prefeito disse que “estava no caminho certo porque a oposição estava reclamando”.



publicidade
publicidade
publicidade