menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe
Notícias

Bolsonaro participa de ato realizado mesmo com decreto proibindo aglomerações por causa da Covid-19

Em Brasília, grupo foi às ruas para protestar contra Congresso e STF; em São Paulo, briga termina em tiro e um ferido

Agência Brasil, Band Mais

19h00 - 15/03/2020

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O presidente Jair Bolsonaro acompanhou, da área externa do Palácio do Planalto, em Brasília, a manifestação de apoiadores de seu governo realizada neste domingo (15) na capital federal e em outras cidades do país. 

Mesmo após decreto do governo do Distrito Federal (GDF) proibir eventos que reunissem público superior a 100 pessoas, em decorrência da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), um grupo de pessoas foi às ruas de Brasília. Vestindo roupas e portando bandeiras verdes e amarelas, além de cartazes contendo frases contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), os manifestantes marcharam pela Esplanada dos Ministérios até o gramado em frente ao Congresso Nacional. Eles foram seguidos por uma carreata. A Polícia Militar do DF não estimou o número de participantes. 

A comitiva de carros do presidente Jair Bolsonaro saiu do Palácio da Alvorada, residência oficial, por volta das 12h20 e percorreu o centro da capital. No Eixo Monumental, uma das principais vias da cidade, a comitiva chegou a ser acompanhada pelos carros que participavam da carreata. Em seguida, o presidente foi até o Palácio do Planalto. Do alto da rampa, seguiu acompanhando a manifestação, com as pessoas se aglomerando em frente ao prédio. O momento foi transmitido ao vivo, em sua página no Facebook. Em seguida, ele desceu para ficar mais próximo do público. Separado por grades, a pouco mais de um metro de distância, o presidente conversou, cumprimentou e tirou fotos com os simpatizantes por pouco mais de uma hora.    

Jair M. Bolsonaro@jairbolsonaro

🇧🇷

Com @BorrachinhaMMA15,4 mil15:26 – 15 de mar de 2020Informações e privacidade no Twitter Ads3.936 pessoas estão falando sobre isso

“Não tem preço o que esse povo está fazendo, apesar de eu ter sugerido, não posso mandar, a manifestação não é minha, o adiamento, por causa desse vírus”, disse o presidente durante a transmissão. Ele também defendeu a manifestação, que classificou como “espontânea”. “Nós políticos temos como mudar o destino do Brasil. Não é um movimento contra nada, é um movimento a favor do Brasil”.

Em suas redes sociais, Bolsonaro vem postando, desde a manhã, diversos vídeos e imagens das manifestações pelo país. Na última quinta-feira (12), em pronunciamento veiculado em cadeia nacional de rádio e televisão, o presidente classificou as manifestações como “legítimas” e “expressões da liberdade”, mas recomendou que, em meio à pandemia de coronavrírus, as pessoas repensassem a ida às ruas . 

Rio de Janeiro

Um grupo de manifestantes se reuniu hoje (15) na altura do posto 4 da Praia de Copacabana, próximo à Rua Constante Ramos, na zona sul do Rio. Segundo os organizadores, o ato foi a favor do governo. Não houve avaliação de quantas pessoas participaram da manifestação.

As primeiras pessoas chegaram ao local antes das 10h e às 13h continuavam lá acompanhando os discursos feitos do alto de um carro de som decorado com faixas que criticavam o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal. Muitos carregavam bandeiras do Brasil e a maior parte se vestia de verde e amarelo.

A dona de casa Cristina Siqueira Lemos disse que estava no ato porque torce pelo governo e pelo país. Ela estava acompanhada de amigos e familiares. “A manifestação chama a atenção para resolver o problema do nosso país, de tudo que a gente vive e da corrupção”, disse. Para Cristina, as notícias sobre o efeito do coronavírus foram as causas de menor participação no ato.

A taxista Lima Ressor, que faz parte do Movimento Limpa Brasil, organizador da manifestação, também participou do evento. “A nossa pauta é a agenda do governo”, afirmou.

São Paulo

Na Avenida Paulista, manifestantes fizeram ato nesta tarde, em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), havia bloqueio dos dois sentidos da avenida, próximo à Rua Pamplona, por volta das 13h30. Vestidos de verde e amarelo, alguns com camisas da Seleção Brasileira de Futebol, os manifestantes levaram bandeiras do Brasil para o ato, mensagens de apoio ao presidente e pedidos de intervenção militar.

No entanto, uma briga terminou com uma pessoa baleada na avenida Paulista após a manifestação e foi levada ao Hospital das Clínicas. O caso aconteceu em frente ao Shopping Center 3, e a avenida estava cheia. Vídeo publicado nas redes sociais mostra parte da confusão.

Relatos de pessoas presentes apontam que dois homens com camisa do Flamengo e carregando bandeira do Brasil se envolveram na briga com duas mulheres. Um deles teria puxado a arma e atirado porque uma das mulheres teria tomado a bandeira do Brasil dele e o agrediu.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

publicidade
publicidade
publicidade