menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Apeoesp decide paralisar escolas estaduais

Sindicato não definiu data para a greve

Rose Guglielminetti

16h00 - 17/05/2021

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo) votou pela paralisação das escolas públicas estaduais em protesto contra a volta às aulas presenciais e ampliação da da cobrança da alíquota de desconto previdenciário de 11% para 16%. A decisão foi tomada no último sábado (15/05).

De acordo com a presidente da entidade, a deputada estadual Professora Bebel (PT), o movimento será contra diversas medidas do governo estadual, como à instituição das escolas PEI (Programa de Ensino Integral) sem discussão com a comunidade escolar, implantação do velho “novo” ensino médio, do EJATEC (Educação de Jovens e Adultos à Distância), da escola cívico-militar. “Queremos a suspensão das aulas presenciais, enquanto todos os professores não forem vacinados e não houver o controle sanitário da pandemia do coronavírus, assim como repudiamos o governo Doria por não pagar os direitos dos professores, não investir na educação e por confiscar salários dos aposentados, mesmo tendo um superávit de R$ 7,7 bilhões em 2020, encerrado o ano com R$ 11 bilhões em caixa”, disse ela.

Justiça

Na reunião, a presidente da Apeoesp disse que nenhum profissional da educação pode ser convocado para trabalho presencial nas escolas, conforme sentença dada pela juíza Simone Casarotti, do Tribunal de Justiça de São Paulo, contestando posição do secretário estadual da Educação, Rossieli Soares que contraria a sentença que suspende as aulas e atividades presenciais nas escolas das redes estadual, municipais e privada de ensino enquanto não houver vacinação de todos os profissionais da educação e controle da pandemia.

Segundo ela, apesar desta posição do governo estadual, o diálogo da Apeoesp com pais e mães tem sido altamente positivo, e nas unidades escolares menos de 5% dos estudantes tem comparecido às aulas presenciais.

0 Comentário

publicidade
publicidade
publicidade
Mais notícias