publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Câmara realiza amanhã primeira sessão do ano e vota projeto que autoriza professor a comer merenda

Presidente da Casa e prefeito estarão presencialmente no Plenário; já os outros parlamentares se conectarão por aplicativo

Zezé de Lima, Blog da Rose

13h17 - 02/02/2021

Atualizado há 26 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A Câmara de Campinas faz, a partir das 9 horas desta quarta-feira, a primeira reunião da Legislatura 2021-2024. Na pauta estão 27 itens, entre projetos de lei, requerimentos, moções e atas, que serão analisados e votados – por meio de Sistema de Deliberação Remota. Como determinado pela Lei Orgânica de Campinas e pelo Regimento da Câmara, este primeiro encontro se iniciará com uma mensagem do prefeito aos parlamentares, fazendo um panorama sobre a situação do município.

Tanto o vereador Zé Carlos (PSB), presidente da Casa, como o prefeito Dário Saadi estarão presencialmente no Plenário, segundo a assessoria de imprensa do Legislativo, ambos respeitando todas as medidas de segurança sanitária. Já os outros parlamentares estarão conectados por meio do aplicativo Zoom. Toda a reunião será transmitida ao vivo pela TV Câmara Campinas, em sinal digital 11.3 e também pelo canal 4 da NET e 9 da Vivo Fibra – com retransmissão em tempo real no streaming do site oficial, fanpages da Câmara e da TV e pelo Youtube.

 Alimentação escolar

Um dos itens da pauta é o projeto de lei do vereador professor Alberto (PL), que altera a Lei da Alimentação Escolar estabelecida em 2012 para que seja permitido aos professores e demais servidores em efetivo exercício nas escolas públicas do Município usufruir da alimentação escolar.

Se for aprovado nessa primeira votação, que analisa a legalidade da matéria, e depois passar no mérito, o projeto segue para ser sancionado pelo prefeito. Se passar mais esta vez, os educadores e funcionários dos colégios do município também terão direito a comer a merenda servida pelas escolas, desde que seja respeitada a prioridade de alimentação dos estudantes.

Além disso, segundo a proposta, os professores devem consumir a alimentação escolar junto com os alunos, de forma a participar do espaço de convivência e da prática educativa, promovendo o processo de integração da comunidade escolar. Professor Alberto acrescenta que o consumo dos alimentos não implicará acréscimo ou decréscimo de quaisquer direitos remuneratórios ou indenizatórios para eles, especialmente do direito ao vale-alimentação ou equivalente. 

0 Comentário

publicidade
publicidade