menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Câmara vai gastar R$ 5,1 milhões para reformar prédio

Presidente da Casa diz que imóvel corre risco de desabar

Rose Guglielminetti

09h15 - 15/05/2021

Atualizado há 1 mês

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A Câmara dos Vereadores de Campinas separou R$ 5,1 milhões para a reforma do prédio. Segundo o presidente da Casa, Zé Carlos (PSB), há risco de o imóvel desabar.

Na justificativa para a suplementação da dotação, a verba poderá ser utilizada para compra de equipamentos, material permanente, obras e contratação de serviços.

No início do ano, Zé Carlos disse que o orçamento da reforma era de R$ 10 milhões para obras de hidraúlica e elétrica do prédio, que foi reformado em 2005 e em 2017. Já foram gastos mais R$ 5 milhões.

“Tá tudo ruim. Os banheiros daqui são piores do que os de rodoviária de cidade pequena”, disse Zé Carlos, lembrando que durante muito tempo “choveu mais dentro da Câmara do que fora”.

E foi justamente uma goteira que permitiu que o problema referente às vigas fosse descoberto. Quando foram consertar o vazamento, constataram as trincas que surgiram há muito tempo, sem ser possível saber o período correto. Pode até ser que o problema já estivesse ali desde que o prédio foi construído.

Segundo o presidente da Câmara, o problema está nas vigas que sustentam o terceiro andar do prédio e que estão trincadas. Dois laudos foram feitos. Um deles diz que o risco é alto de o prédio desabar e o outro é de que “vai cair, mas vai demorar um pouco”. Como há uma garantia de 20 anos em favor da Câmara, o Legislativo foi para a Justiça. “Mas eu não posso esperar. São vidas que correm risco. Eu pedi um orçamento. Até para a construção de um prédio novo, mas não vou esperar”, disse ele, na época.

O prédio, que fica na Avenida da Saudade, foi comprado pelo ex-presidente Carlos Signorelli (PT). Foi reformado pelo então vereador Dário Saadi (Republicanos), em 2005, e passou por uma segunda reforma em 2017, quando foram gastos R$ 618 mil. “O prédio sempre teve problemas estruturais. Aqui funcionava um crematório”, disse Zé Carlos.

0 Comentário

publicidade
publicidade
publicidade