menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Campinas mantém suspensão das aulas presenciais até o dia 11 de abril

Medida ocorre para evitar disseminação do coronavírus

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

15h19 - 30/03/2021

Atualizado há 22 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A Prefeitura de Campinas vai manter a suspensão das aulas presenciais em Campinas até o dia 11 de abril. A decisão foi tomada após três reuniões, uma delas, com a presença do promotor Rodrigo Augusto de Oliveira, da Vara da Infância, e com membros do Movimento Escolas Abertas. O primeiro defendeu a suspensão presencial e o segundo a abertura das unidades escolares.

O secretário de Saúde, Lair Zambon, disse que a educação é essencial, porém, em Campinas, com 200 pessoas na fila de espera por um leito de UTI, torna-se essencial a manutenção do isolamento social para que não haja mais adoecimentos por covid-19. “A manutenção da vida torna-se essencial. Temos observando que está havendo uma redução nas síndromes gripais, mas isso precisa se confirmar para mudarmos de posição”, disse Zambon.

O prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos) informou que a situação epidemiológica na cidade não permite esse retorno das aulas de forma presencial. “Lamento. Mas não há outro remédio. Quando lota o Mario Gatti, Ouro Verde e as UPAs quem tem de prestar conta dessas vidas somos nós”, disse o prefeito.

Já o secretário de Justiça, Peter Panutto, diz que apesar de o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ter colocado o ensino básico como atividade essencial, o mesmo decreto dá ao prefeito o direito de impor restrições. “Não há nenhuma ilegalidade nesta decisão de manter a suspensão das aulas presenciais”, disse Panutto.

Na próxima semana os gestores da prefeitura voltam a se reunir para verificar se vão manter ou não as aulas suspensas.

As aulas presenciais foram suspensas em Campinas no último dia 3 de março. Na época, a medida foi mais restritiva do que o próprio governo estadual que havia mantido as aulas presenciais.

A pressão maior é feita pelas escolas privadas. Na rede pública, os sindicatos dos professores e dos servidores municipais exigem a vacinação dos docentes para a volta às aulas. O governo estadual anunciou o início da vacinação dos professores a partir do dia 12 de abril. A meta é vacinar 350 mil profissionais que trabalham em escolas que tenham mais de 47 anos.

Quando as escolas estavam abertos vários casos foram registrados de infecção e de surtos nas unidades escolares.

0 Comentário

publicidade
publicidade
publicidade