menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe

Divulgação/Câmara de Campinas

Blog da Rose

Corregedor da Câmara de Campinas diz que só pode investigar rachadinhas se tiver representação oficial

Rodrigo da Farmadic (DEM) disse que mesmo com denúncias no MP tem de esperar um pedido formal na Corregedoria

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

12h46 - 07/12/2021

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O corregedor da Câmara de Campinas, Rodrigo da Farmadic (DEM) disse nesta terça-feira (07/12) que só poderá investigar as denúncias de rachadinha – prática do político reter parte do salário do assessor – envolvendo nove parlamentares se receber alguma representação oficial das supostas irregularidades.

LEIA MAIS

Novas denúncias elevam para 9 o número de vereadores investigados pelo MP

“Entendo que o regimento interno e o código de ética têm suas falhas e precisa ser reformulado. Antes mesmo dos recentes acontecimentos, eu já vinha discutindo mudanças tendo como base o código de ética da Alesp. Hoje a corregedoria tem um caráter meramente censor. Eu não posso simplesmente inovar e fazer uma “inquisição” sem base legal”, disse ele.

São investigados pelo promotor Angelo Carvalhaes os seguintes vereadores: Edison Ribeiro (PSL), Permínio Monteiro (PSB), Jorge Schneider (PL), Marcelo Silva (PSD), Gustavo Petta (PCdoB), Zé Carlos (PSB), Otto Alejandro (PL), Filipe Marchesi (PSB) e Nelson Hossri (PSD).

Grande parte das denúncias são anônimas. Apenas em relação aos vereadores Otto, Petta, Zé Carlos e Marcelo as pessoas se identificaram. Porém, o promotor vai investigar se a identificação é real ou falsa.

Todos os vereadores negaram a prática de rachadinha.

Outro lado

Pela primeira vez, a Câmara de Campinas se posicionou sobre as denúncias de rachadinha. “A Câmara Municipal de Campinas é uma instituição que cria e fiscaliza a aplicação das leis, e como tal age estritamente dentro delas. Neste sentido, entende ser salutar a investigação do MP para que as denúncias, mesmo as anônimas e que carecem de provas e fundamentos, sejam investigadas com o objetivo de comprovar a lisura dos acusados ou confirmar qualquer eventual desvio individual para que seja corrigido dentro da lei”, diz a nota.

0 Comentário

publicidade
publicidade