menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Justiça condena ex-presidente da Sanasa por cabide de emprego

Decisão determina ainda a demissão de todos os assessores

Rose Guglielminetti

09h59 - 24/05/2021

Atualizado há 28 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O TJ (Tribunal de Justiça) manteve  a condenação do ex-presidente da Sanasa, empresa de gestão da água e do esgoto de Campinas, Arly de Lara Romeu, por improbidade administrativa, por ter utilizado a empresa para contratar assessores – o que foi apontado como cabide de emprego.

A decisão determina ainda a demissão de todos os comissionados que trabalham na empresa. A empresa tem 72 cargos de livre nomeação do presidente. Além disso, o ex-presidente da empresa municipal foi multado em dez vezes o valor da remuneração. Na época, ele recebia cerca de 41 mil por mês.

A decisão, tomada após denúncia do Ministério Público, foi publicada na última sexta-feira (21/05). De acordo com a desemdesembargadora Silvia Meirelles, Lara Romeu utilizou os cargos da empresa para empregar “políticos e amigos”. “Ficou claro o desvio de finalidade perpetrado pelo corréu Arly, no sentido de preencher os empregos públicos comissionados, visando tão somente a satisfação de interesse pessoal e alheio, sem qualquer preocupação com a competência técnica dos escolhidos ou com a prestação dos serviços públicos que foram delegados à empresa”.

Lara Romeu é hoje secretário municipal de Habitação do governo Dário Saadi (Republicanos).

Concurso público

A decisão determina que os cargos ocupados por assessores sejam preenchidos por concurso público. ” ou mesmo de empregos comissionados de assessoria, desde que individualizados, com a devida descrição de suas atividades, grau de escolaridade exigido e de seu órgão de lotação”.

Cabem recursos no STF (Supremo Tribunal Federal) e no STJ (Supremo Tribunal de Justiça). 

Outro lado

O ex-presidente ainda não se manifestou sobre a decisão. Assim que o fizer, a matéria será atualizada.

0 Comentário

publicidade
publicidade
publicidade