menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Justiça Eleitoral absolve Dr. Hélio no caso do Banco Schain

Ex-prefeito de Campinas se livrou devido à prescrição da ação

Rose Guglielminetti

12h03 - 12/07/2021

Atualizado há 11 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo absolveu o ex-prefeito de Campinas, Hélio de Oliveira Santos (PDT), na ação que pedida condenação sobre o suposto empréstimo no valor de R$ 12 milhões, que teria sido tomado no Banco Schahin pelo empresário José Carlos Bumlai. Além do ex-prefeito, foram inocentados o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares de Castro; e os empresários Armando Peralta Barbosa, Giovane Favieri, Natalino Bertin e Sandro Tordin. A absolvição ocorreu por prescrição.

De acordo com o Ministério Público, Bumlai fez um empréstimo fraudulento no valor de R$ 12.176.850,80, do Banco Schahin. O dinheiro foi transferido para o Figorífico Bertin que, instruído pelo corréu Delúbio Soares, teria feito a lavagem do dinheiro, dissimulando sua origem, distribuindo o valor entre campanhas eleitorais (não havendo a integral declaração dos valores quando das prestações de contas à Justiça Eleitoral) e outros beneficiários envolvidos com partidos políticos (PT e PDT). O ex-prefeito de Campinas seria um dos que se beneficiou do dinheiro, de acordo com a Promotoria.

Porém, juiz eleitoral Emilio Migliano Neto considerou prescritas as imputações feitas. “Conclui-se que há de ser declarada a extinção da punibilidade de todos réus em decorrência da prescrição em abstrato da pretensão punitiva, sem qualquer análise do mérito, em razão da falta de condição da ação superveniente, qual seja, interesse de agir do Estado, pois não haverá a produção de qualquer resultado útil ao processo”, escreveu ele.

O ex-prefeito diz que a política está judicializada e ataque promotores e juízes. “É como o ambiente teatral das peças do Márquez de Sade, no Sanatório de Charleston, e a vida de Lautrec nos cabarés, circos e opereta Messalina. A justiça a serviço da política torna promotores e até juízes justiceiros, assassinos de reputação”, afirmou.

0 Comentário

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade