menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

MPT dá 8 dias para Educação afastar servidores com comorbidades

Estão incluídos trabalhadores com câncer e os que fazem uso de medicamentos imunodepressores e quimioterápicos

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

15h49 - 18/05/2021

Atualizado há 1 mês

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O MPT (Ministério Público do Trabalho) determinou, no prazo de 8 dias, o afastamento das atividades presenciais dos servidores da Secretari de Educação de Campinas que tenham possuam algum tipo de comorbidade. A medida foi tomada pela procuradora Clarissa Ribeiro Schinestsck e vale até que este grupo seja imunizado. Desde o início das aulas, no dia 26 de abril, já foram confirmados 11 casos de covid-19 entre os funcionários da Rede Municipal de Ensino.

Segundo ela, se encaixam os trabalhadores com algum risco de complicações com a covid-19 como, por exemplo, os que têm cardiopatias graves ou descompensadas (insuficiência cardíaca, infartados, revascularizados, portadores de arritmias, hipertensão arterial sistêmica descompensada); pneumopatias graves ou descompensadas (dependentes de oxigênio, portadores de asma moderada/grave, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – DPOC); imunodeprimidos; doentes renais crônicos em estágio avançado (graus 3, 4 e 5); e diabéticos.

Além disso, os trabalhadores que estão fazendo tratamento de câncer também devem ser afastados das escolas.

As gestantes já estão em trabalho remoto.

A Secretaria tem 5,6 mil servidores e cerca de 70 mil alunos.

Sindicato

A coordenadora do Sindicato dos Servidores, Cláudia Bueno, ressaltou que a decisão da procuradora é fruto das denúncias da entidade. “O sindicato vem denunciando as irregularidades cometidas pela Prefeitura de Campinas desde o ano passado ao Ministério Público do Trabalho. Já pedimos também para o Departamento de Promoção à Saúde do Servidor (DPSS) para que faça uma nova regra sobre a forma como os trabalhadores com comorbidades devem pedir os afastamentos. Hoje, essa análise é feita pelos chefes de setores e a maioria deles nem tem conhecimento técnico para analisar um laudo médico”, diz.

Outro lado

Em nota a Prefeitura de Campinas informou que recebeu o ofício do MPT e todas as informações serão prestadas dentro do prazo estabelecido.

0 Comentário

publicidade
publicidade
publicidade