menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Promotor pede laudo independente para saber se houve crime de racismo na Câmara de Campinas

Departamento do MP irá fazer a perícia sobre o material

Rose Guglielminetti

18h24 - 16/12/2021

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O promotor José Carvalho Santoro Junior pediu nesta quinta-feira (16/12) uma perícia do Caex, setor da Promotoria responsável pelo núcleo de evidências forenses, na gravação do conteúdo da sessão do último dia 08 de novembro, quando há a suspeita de que uma mulher, que estava no plenário da Câmara, teria xingado de “Preta lixo” a vereadora Paolla Miguel (PT).

Santoro Junior pediu ainda a prorrogação das investigações por mais 60 dias. Na denúncia, foram anexados dois laudos. Um dos documentos foi feito pelo perito Ricardo Molina, contratado pelo vereador Nelson Hossri (PSD), parlamentar apontado como o responsável por levar o grupo na Casa Legislativa para apoiá-lo na votação de um requerimento que pedia a votação do projeto de lei que proibe a exigência do passaporte de vacina em grandes eventos na cidade de Campinas. Molina sustentou que a frase dita foi “Petta lixo.

Já o laudo assinado por  Mauricio Raymundo de Cunto, que fez a análise de forma gratuita para a Câmara, diz que não é possível identificar o conteúdo da frase. Segundo ele, pode ser “Preta lixo” ou “Petta lixo”.

Diante do impasse, o promotor decidiu pediu a perícia. A Polícia Civil de Campinas, por meio de depoimentos dos vereadores, principalmente de Jorge Schneider (PL), indiciou uma mulher pelo crime de injúria racial. Schneider disse que a viu gritando e ofendendo a vereadora Paulla Miguel.

O promotor, no entanto, vê crime eleitoral e que pode levar a penalidades que vão de multas até prisão entre um ano e quatro anos.

0 Comentário

publicidade
publicidade
publicidade