menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Valinhos entra na fase vermelha, fecha igrejas e coloca barreiras sanitárias

Apenas serviço essencial vai funcionar até o dia 19

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

09h01 - 05/03/2021

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Valinhos, entrou nesta sexta-feira (05/03) na fase vermelha devido ao colapso nos leitos de UTI da cidade. A medida vale até o dia 19 deste mês. As regras da cidade são mais rigorosas do que as do Governo do Estado, que determinou fase vermelha a partir de amanhã (06/05), e proibiu cultos e missas, além da suspensão das aulas presenciais. Haverá ainda toque de recolher das 20h às 05 e a prefeitura vai colocar barreiras sanitárias.

Tanto os leitos de UTI quanto os de enfermaria estão com ocupação total por pacientes com covid-19.

“Antecipar a decisão do Estado é pela situação em que se encontra o sistema hospitalar da cidade. A situação se agravou nas últimas horas e medidas mais restritivas foram necessárias, como a fase vermelha 24 horas por dia”, disse a prefeita da idade, Capitã Lucimara (PSD).

Leitos

A prefeita prometeu mais leitos e vai implantar, em 10 dias, CEV I (Centro de Especialidades de Valinhos) que vai ter entre 8 a 12 leitos para auxiliar no atendimento aos valinhenses.

O que fecha

Com a fase vermelha, fica fechado comércio de rua, shoppings, bares, restaurantes, salões de beleza, cabeleireiros, academias, centros esportivos, clube sociais, parques públicos, bibliotecas e espaços públicos em geral.

A venda de bebidas alcoólicas é proibida a partir das 20h e serviços de delivery e drive-thru (sem descer do carro) são permitidos.

Os cultos e missas, além das aulas, deverão ser remotos neste período.

O atendimento público presencial no Paço Municipal também será suspenso durante a fase vermelha.

O que abre

Podem funcionar na fase vermelha hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, lavanderias, estabelecimentos de saúde animal, postos de combustíveis, lojas de materiais de construção, supermercados, hipermercados, açougues e padarias.

0 Comentário

publicidade
publicidade
Mais notícias