menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Notícias

Campinas tem 45 mil pessoas infectadas pelo coronavírus, mostra estudo da prefeitura

Uso de transporte público e não uso de máscara e álcool em gel são fatores que levam ao adoecimento

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

10h51 - 21/08/2020

Atualizado há 5 meses

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Campinas tem hoje cerca de 45 mil pessoas que foram infectadas, de acordo com o segundo inquérito sorológico da doença. Esse grupo é formado por uma maioria de jovens e de negros. Grande parte não teve contatos com pessoas infectadas. Entre o grupo dos infectados são pessoas que não usavam máscaras, álcool em gel e utilizam o transporte público.

No primeiro inquérito, o estudo apontava que 27 mil pessoas tinham sido contaminadas. Esse grupo sequer sabe que está com o vírus.

O estudo é amostral e os exames foram feitos em 1.876 pessoas, dos quais 69 deram positivos para covid-19. O levantamento foi feito no dia 03 a 15 de agosto.

Prevalência

A região Norte é que tem a maior prevalência, com 4.83% . Em seguida vem a região Noroeste, com 4.47%. A Sul é pontuada com 3.57% e a Leste com 2,3%.

As maiores prevalências estão em mulheres brancas entre 20 e 29 anos (8,57%) e mulheres negras entre 60 e 69 anos (10,53%)

Entre homens as maiores prevalências são entre os homens negros, sendo 30 a 39 (20%), 50 a 59 anos (22,22%) e 60 a 69 anos (33,33%).

Em homens pardos há grande prevalência em crianças, sendo 20% entre 0 a 9 anos e 16,67% entre 10 a 19 anos. Entre adultos, há grande prevalência entre 30 a 39 anos (12,5%) e 60 a 69 anos (11,54%)

Jovens

O estudo mostrou que os jovens são os que são mais são infectados. De 20 a 29 anos são 3,43% e na faixa etária de 30 a 39 são 5,02%. “Eles não adoecem, mas são transmissores da doença”, disse Carmino.

Segundo o secretário de Saúde, Carmino de Souza, o levantamento mostrou que Campinas aumentou a capacidade de saber quantas pessoas estão com coronavírus. “Antes, o índice era de 3,8% de que não sabíamos quem estava doente. Hoje é de 1,8%. Isso significa que temos mais casos reais sendo detectados a doença na cidade”, disse ele.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 
publicidade
publicidade
publicidade
Mais notícias