menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe

Curdos afirmam que Estado Islâmico se reorganiza no Iraque

Inteligência estima que existam no Iraque cerca de 10 mil integrantes da organização, sendo que entre 4 mil e 5 mil são combatentes

Agência Brasil, Band Mais

09h50 - 24/12/2019

Atualizado há 6 meses

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Dois anos depois de perder o território que ocupava no Iraque, o grupo Estado Islâmico se reorganiza. As forças curdas na região afirmam que têm notado um aumento no número de ataques terroristas e acreditam que os militantes dessa organização estão cada vez mais perigosos.

“Eles têm melhores técnicas, melhores táticas e muito mais dinheiro à disposição”, disse à BBC Lahur Talabany, militar curdo das forças antiterrorismo. “Conseguem comprar veículos, armas, comida e equipamento. São mais experientes com tecnologia. É mais difícil expulsá-los. São como a Al Qaeda sob esteroides”.

Talabany, que comanda uma das duas agências de Inteligência existentes no Curdistão iraquiano, acredita que “a fase de reconstrução” do autoproclamado Estado Islâmico no Iraque já terminou e alerta para um “aumento de suas atividades”.

O militar curdo explicou que o grupo ressurge de forma diferente, não querendo controlar territórios de modo a evitar tornar-se um alvo. Por essa razão, tem ocupado as montanhas Hamrin, no Iraque.

“Esse é agora o centro do autoproclamado Estado Islâmico”, declarou Talabany. “É uma longa cadeia de montanhas e é uma zona que o Exército iraquiano tem muita dificuldade em controlar. Existem muitos esconderijos e cavernas”.

Para o curdo, é possível que a atual agitação na capital Bagdá, que tem sido palco de manifestações violentas, possa ser benéfica para o grupo extremista, que poderá tentar recrutar muçulmanos sunitas, o que já ocorreu anteriormente.

“Se tivermos agitação política, então este é o céu ou o Natal antecipado para o autoproclamado Estado Islâmico”, alertou.

Atividade demasiada

Os militantes poderão também se beneficiar da tensão nas relações entre Bagdá e o governo regional do Curdistão, que desde 2017 vem se agravando após o referendo curdo sobre a independência.

Com vasta área do norte do Iraque deixada sem controle, servindo apenas para separar as forças de segurança curdas das iraquianas, os únicos a patrulhar essa região são, no momento, os membros do Daesh.

“Eles estão permanentemente na zona entre os rios Grande Zab e Tigre”, disse à BBC o general curdo Sirwan Barzani, que tem observado essa área. “Existe demasiada atividade do Estado Islâmico na região do Rio Tigre. Dia após dia podemos ver o movimento do grupo e as suas atividades”.

De acordo com o Exército curdo no Iraque, o grupo foi recentemente reforçado com uma centena de militantes que cruzou a fonteira da Síria, incluindo alguns que traziam cintos com explosivos.

“Posso comparar 2019 com 2012, quando eles começavam a se organizar”, afirmou Barzani. “Se a situação continuar assim, em 2020 vão se reestruturar ainda melhor, tornar-se mais poderosos e praticar mais ataques”.

As autoridades curdas de Inteligência estimam que existam no Iraque cerca de 10 mil integrantes do autoproclamado Estado Islâmico, sendo que entre 4 mil e 5 mil são combatentes, com um número semelhante de simpatizantes e células adormecidas.

Lahur Talabany acredita que a comunidade internacional deve se preocupar com essa realidade. “Quanto mais confortáveis [os militantes] se sentirem aqui, mais vão pensar em operações fora do Iraque e da Síria”.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 
publicidade
publicidade
publicidade