menu 25-anos
facebook
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

“Divisão do auxílio financeiro entre estados e municípios não foi justa”, diz Jonas

Campinas vai receber R$ 134 milhões do governo federal

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

08h00 - 05/05/2020

Atualizado há 23 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), disse que a divisão do auxílio emergencial financeiro a estados e municípios para combate aos efeitos da pandemia da covid-19 “não foi justo”. Ao todo, serão destinados R$ 125 bilhões, incluindo repasses diretos e suspensão de dívidas. Como é presidente da FNP (Frente Nacional dos Prefeitos), ele pediu ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que acrescente R$ 3 bilhões aos municípios com mais de 100 mil habitantes. Campinas terá uma fatia de R$ 134 milhões.

Segundo ele, os municípios assumem a maior parte das despesas de Saúde e vão receber um percentual menor de verba. O prefeito mostrou números: no ano passado, sem a epidemia de covid-19, os municípios executaram 53% dos gastos com saúde e os estados 35%. Hoje 92 mil leitos de UTI são dos municípios e 82 mil estaduais. “Essa pandemia vai ser pedagógica para que o Brasil entenda o que ocorre na saúde: a sobrecarga que existe no município. A distribuição não teve um critério justo”, disse ele.

Em relação aos recursos livres, Jonas disse que no projeto original R$ 25 bilhões iriam para os estados e o mesmo valor para os municípios. “Mas beneficiaram os estados. R$ 30 bilhões vão para o estados e R$ 20 bilhões para os municípios (uma perda de R$ 5 bilhões)”, ressaltou.

A mesma matemática foi utilizada em relação aos recursos para serem consumidos no combate à covid-19. Seriam destinados R$ 5 bilhões para os estados e R$ 5 bilhões para as cidades. A mudança deu mais R$ 2 bilhões para os estados que vão receber R$ 7 bilhões e os municípios ficaram apenas com R$ 3 bilhões, segundo o prefeito de Campinas.

“No final, 72% dos recursos vão para os estados e 28% para os municípios. Quem mais segura o rojão, acabou não sendo contemplado. A ajuda que vem para os municípios não cobre nem um 1/3 das despesas que temos tido”, ponderou o prefeito de Campinas.

Parcelado

Os R$ 135 milhões que Campinas irá receber será pago em quatro parcelas. A primeira parcela está prevista para o dia 15 de maio.

As prefeituras serão beneficiadas também com a suspensão do pagamento de dívidas previdenciárias que venceriam até o fim de 2020. Os valores de dívidas não pagos serão incorporados ao saldo devedor apenas em 1º de janeiro de 2022.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

publicidade
publicidade
publicidade