menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe

Ex-presidente do PSL de Campinas recorre à Justiça para reaver controle de partido

Briga passa pela eleição do ano que vem

Blog da Rose

15h56 - 02/10/2019

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O ex-presidente do PSL de Campinas, André Ribeiro, protocolou ação na Justiça para cancelar a dissolução do Diretório municipal pelo Diretório Estadual da legenda. De acordo com a ação, a intervenção é ilegal e desrespeitou normas internas da legenda.

André Ribeiro, ex-presidente que foi destituído do partido

A mudança ocorreu no mês passado e foi feita sem a comunicação prévia à antiga diretoria. Ribeiro sustenta que o partido é obrigado a fazer uma convenção partidária, o que não ocorreu. Também diz que a legenda desrespeitou o artigo 99 do Estatuto do PSL, que diz que um político eleito deve “ter a preferência para presidir o Diretório e comissões provisórias”. Essa pessoa seria o vereador Edson Ribeiro, pai de André Ribeiro – que também foi colocado para fora do partido. Edson era vice-presidente do PSL de Campinas.

“A absurda inabilitação determinada pela Comissão Provisória Estadual , por certo, deve ter alguma motivação pessoal de algum membro”, escreve o advogado Thiago Ferreira Falivene e Sousa.

Pano de fundo

Por trás dessa mudança está o vereador Tenente Santini (PSD). Apesar de estar filiado a outro partido, o parlamentar é próximo do atual presidente estadual, Eduardo Bolsonaro, e foi o homem dos “Bolsonaros” que organizou atos da campanha do ano passado. A parceria entre os dois é demonstrada na nomeação da nova diretoria do PSL. Dos seis integrantes da diretoria, cinco deles são assessores do parlamentar: Ronny Soares Carnauskas (presidente); Julio Eduardo Soares Martelo (secretário-geral); Mauro Rubens Mena de Castro Vasconcellos Teixeira (primeiro-secretário); Hércules Marques (tesoureiro-geral) e Antônio José Soares dos Santos (primeiro-tesoureiro). Apenas o vice-presidente, Marcos Alves Ferreira, o Marcos Ceará, não trabalha no gabinete de Santini.

Vereador Tenente Santini: articulador da mudança do diretório

“Não pode o amigo do filho do rei destituir um diretório. Fizemos um trabalho e sequer fomos ouvidos ou comunicados sobre a mudança. Não temos nada contra o Santini”, disse André Ribeiro.

Novo presidente

O novo presidente, Ronny Soares Carnauskas, disse que ficou surpreendido pelo fato de o ex-presidente ter recorrido à Justiça para voltar a comandar a legenda. Segundo Carnaukas, o PSL de Campinas “manteve suas posições apequenadas, sendo uma legenda sem identidade e a serviço do governo municipal. E por esta posição recentemente protagonizou um escândalo com seus filiados que foram exonerados de cargos comissionados, ocupados porque apoiavam o governo, e dois dias depois, foram recontratados, no episódio envolvendo a eleição da Presidência da Câmara de Vereadores”, escreveu ele.

Segundo ele, o apoio dado pelo PSL ao governo Jonas Donizette (PSB) é um desserviço. “Vamos apresentar em 2020 candidaturas que representem os anseios da população do bem contra a corrupção.”

publicidade
publicidade
publicidade