menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe
Notícias

Itália coloca 16 milhões de pessoas em quarentena para tentar conter avanço da covid-19

Qualquer pessoa que viva na região da Lombardia e outras 14 províncias do centro e norte do país precisam de autorização especial para viajar

Agência Brasil, Band Mais

06h04 - 09/03/2020

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A Itália adotou medidas drásticas para tentar conter o novo coronavírus que está se espalhando rapidamente pelo país. O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, assinou um decreto que, na prática, coloca 16 milhões de pessoas em quarentena. Qualquer pessoa que viva na região da Lombardia e outras 14 províncias do centro e norte do país precisam de uma autorização especial para viajar.

A medida afeta cidades como Milão e Veneza. O primeiro-ministro anunciou igualmente o fechamento de escolas, ginásios, museus, cinemas e clubes noturnos, entre outros espaços públicos da região.

A Itália tem neste momento o maior número de casos do novo coronavírus da Europa. Quase seis mil pessoas estão infectadas. O número de óbitos por causa do vírus chega a 233. Em todo o mundo, a Itália é o terceiro país com mais casos, perdendo apenas para a China e a Coreia do Sul.

Até 3 de abril

As medidas agora anunciadas valem, pelo menos, até 3 de abril. Um quarto da população italiana está em quarentena.

“Queremos garantir a saúde dos nossos cidadãos”, disse Giuseppe Conte. “Compreendemos que estas medidas vão exigir sacrifícios, algumas vezes pequenos, outras vezes enormes”.

As 14 províncias também afetadas por estas medidas são Modena, Parma, Piacenza, Reggio Emilia, Rimini, Pesaro e Urbino, Alessandria, Asti, Novara, Verbano Cusio Ossola, Vercelli, Padua, Treviso e Veneza.

“Não havera qualquer movimento para e de estas áreas, ou dentro delas, a não ser por questões provadas relacionadas com trabalho, emergências ou questões de saúde”, afirmou Conte. “Estamos a enfrentar uma emergência, uma emergência nacional. Temos que limitar que o vírus se espalhe e prevenir que os nossos hospitais fiquem sem resposta”.

“Assumimos total responsabilidade política por esta decisão. Estamos convencidos de que essa emergência será superada”, garantiu Giuseppe Conte.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade