menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Jonas admite que pode aumentar o subsídio para socorrer as empresas de ônibus

Queda de passageiros devido à pandemia é de 60%

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

10h23 - 12/08/2020

Atualizado há 3 meses

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), sinalizou que pode aumentar o subsídio às empresas de ônibus para socorrê-las devido à queda de passageiros durante a o período de pandemia do coronavírus. Hoje, a prefeitura repassa R$ 60 milhões/ano dos cofres públicos para o sistema. Essa verba é para custear as gratuidades e benefícios.

“Elas estão passando por muitas dificuldades. O que temos feito é adiantado a parcela do subsídio. Mas é possível (aumentar o subsídio) porque não será suficiente”, disse o prefeito durante live nesta segunda-feira (11/08).

Paulo Bardall, diretor de comunicação do sindicato que representa as empresas, disse o sistema precisa de auxílo financeiro para continuar a oferecer os serviço. Segundo ele, mesmo com a retomada das atividades econômicas, a quantidade de passageiros transportados continua bastante inferior em relação à quantidade que existia antes do início da pandemia da covid-19. A média de passageiros pagantes transportados em julho ficou 56% abaixo da quantidade do início de março.

De acordo com ele, foi obervado que, mesmo durante a Fase Laranja, encerrada da semana passada, a recuperação foi bastante tímida, de apenas 3%. “E, agora, mesmo com o início da Fase Amarela, é possível constatar que muitos estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços fecharam suas portas ou, então, tiveram de demitir funcionários para tentar sobreviver. Ainda não é possível estimar quanto tempo e qual será a velocidade da recuperação. Os custos operacionais continuam acima da receita. As concessionárias transportam apenas 45% da demanda pré-pandemia”, explicou Bardal.

Para exemplificar a queda no número de passageiros, Bardal explicou que no dia 6 de março, uma sexta-feira, as concessionárias transportaram 435.338 passageiros (incluindo as gratuidades). No dia 7 de agosto (sexta-feira), foram transportados 195.748, uma sexta-feira também.

Em março, quando teve início o estado de quarentena no município, o sistema de transporte público chegou a registrar queda de cerca de 80% no número de passageiros. Atualmente, a queda gira em torno de 60%.

Segundo a Emdec, em situação normal, a frota do sistema de transporte público coletivo de Campinas totaliza mais de 1,1 mil ônibus. Considerando o mês de fevereiro de 2020, anterior à pandemia, o sistema registrou uma média de 515 mil passageiros (passagens pela catraca) por dia útil; e 11,7 milhões de passageiros por mês. Transportava diariamente cerca de 185 mil usuários (indivíduos) por dia útil. No último mês de julho, o sistema registrou uma média de 197 mil passageiros (passagens pela catraca) por dia útil; 5,2 milhões de passageiros por mês e cerca de 68 mil usuários por dia útil. 

Prejuízo

Em nota, a Emdec reconheceu que o custo operacional do sistema está maior do que o arrecadado pelas empresas. E, por isso, fez a antecipação do subsídio. O valor mensal repassado ao sistema de R$ 5 milhões. Ressaltou ainda que há o repasse do montante de R$ 1 milhão para o Programa de Acessibilidade Inclusiva (PAI-Serviço).   A queda na receita das empresas gira em torno de 80%.

A Emdec informou ainda que ” a Administração municipal realiza todos os esforços necessários e possíveis para manter, em operação, de forma adequada, segura e atendendo todas as regiões.”

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade