menu 25-anos
facebook
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Jonas critica Bolsonaro e sai em defesa de prefeitos

Falas ofensivas vieram à público ontem após liberação do conteúdo da reunião ministerial do dia 22 de abril

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

11h36 - 23/05/2020

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), que também é presidente da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), criticou o presidente Jair Bolsonaro e saiu em defesa dos prefeitos que foram ofendidos com palavrões. Ontem (22/05), Jonas classificou como “descontrole” em sua rede social e, neste sábado (23/05), o prefeito se solidarizou com o prefeito de Manaus, Artur Virgílio, que foi chamado de “bosta” por Bolsonaro. O vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril foi divulgado ontem (22/05) após autorização do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Celso de Mello.

“O prefeito de Manaus foi duramente atingido. Ele vive um drama em Manuas (por causa da covid-19). A cidade é muito complexa para administrar, com muita vulnerabilidade social. É mais populosa que
Campinas e com orçamento menor. A maneira como ele (Bolsonaro) se referiu Artur Virgílio foi ofensivo. Meu desagravo. Os prefeitos têm enfrentado momentos difíceis. E para aumentar esse grau temos visto este tipo de coisa (conteúdo da reunião presidencial). Minha solidariedade ao prefeito de Manaus e a outros prefeitos pelas ofensas dirigidas a eles”, disse Jonas.

Virgílio está no grupo dos gestores que defendem medidas restritivas para o enfrentamento da pandemia do coronavírus. Visão antagônica ao do presidente Bolsonaro.

Jonas também se se solidarizou ao ministro Sérgio Moro. “Ao ver aquilo (palavrões e ofensas) eu compreendo a demissão de Moro. Eu não suportaria um ambiente como aquele, com palavrões e pessoas sendo tratadas daquela forma. Um homem com princípios não conseguiria trabalhar num ambiente daquele”, disse o prefeito.

Ele também ressaltou esperar que as ofensas feitas aos governadores de São Paulo, João Doria (PSDB) e Wilson Witzel (PSC), que foram chamados de “bosta” e “estrume” por Bolsonaro não prejudiquem o relacionamento entre os agentes políticos na condução do combate à epidemia. “Eles tiveram uma reunião e relataram que foi num clima de paz. Espero que esse ponto (ofensas) não degringole o relacionamento.”

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

publicidade
publicidade
publicidade