menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Justiça proíbe missas, cultos e outras atividades religiosas em Campinas

Pedido de suspensão das atividades religiosas foi feito pela promotora Cristiane Hillal que argumentou risco de disseminação do coronavírus

Rose Guglielminetti

16h13 - 06/07/2020

Atualizado há 29 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) suspendeu a realização de cultos e missas presenciais em Campinas. Apesar de a cidade estar na fase vermelha do Plano São Paulo – em que apenas as atividades essenciais são permitidas – o prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB) permitiu o funcionamento das igrejas, com a observância de algumas regras como presença de 20% dos fieis e distanciamento de 1 metro e meio entre uma pessoa e outra. Campinas passou para a fase mais restritiva nesta segunda-feira (06/07).

O relator do TJ-SP, Carlos Bueno, concedeu liminar no pedido da promotora Cristiane Hillal que pediu a suspensão das atividades religiosas. Segundo ela, as atividades religiosas têm alta potencialidade de disseminação do coronavírus. A promotora argumentou que Campinas autorizou a volta das atividades religiosas sem estar amparada por fundamentação científica, em parecer da Vigilância Epidemiológica Municipal ou de outro órgão técnico competente.

” O afrouxamento das regras de isolamento social sem embasamento científico permitirá maior contato entre pessoas, o que possivelmente elevará o número de transmissão e provocará a piora da situação sanitária, o oposto dos objetivos mais urgentes do momento atual: proteção à vida, à saúde e o combate ao novo coronavírus”, escreveu o relator.

Campinas tem hoje 373 mortes e 9.950 casos confirmados da doença.

Outro lado

O prefeito de Campinas disse que vai consultar o jurídico da prefeitura. “Mas medida judicial se cumpre”, disse ele durante coletiva na tarde desta segunda-feira (06/07).

4 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 
publicidade
publicidade
publicidade