menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe

Libertadores Feminina volta hoje depois de acordo no Equador

O jogo Corinthians e Club Ñañas foi remarcado para hoje (14), no estádio Olímpico de Atahualpa, às 19h (horário de Brasília)

Band Mais

16h56 - 14/10/2019

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) anunciou na manha de hoje (14), em comunicado oficial, que retomará o calendário da Taça Libertadores Feminina, em Quito, no Equador. Algumas partidas foram suspensas por conta dos intensos protestos da população indígena, após decreto do governo que elevou em até 123% o preço dos combustíveis. Na noite de ontem (13), o presidente equatoriano Lenín Moreno fechou acordo com os manifestantes: além de revogar o aumento dos combustíveis, Lenín Moreno suspendeu temporariamente o toque de recolher. De acordo com a Conmebol, as medidas anunciadas ontem (13) dão garantias de segurança para que o torneio prossiga.

A competição teve início na última sexta-feira (11), mas devido aos protestos na capital Quito, os jogos de sábado (12) foram suspensos. Foi o caso do confronto Corinthians e Club Ñañas, do próprio Equador, pelo grupo C. O jogo foi remarcado para hoje (14), no estádio Olímpico de Atahualpa, às 19h (horário de Brasília).  

Ontem (13), a Federação Internacional dos Jogadores Profissionais de Futebol (FIFpro) enviou uma carta à Conmebol pedindo a suspensão da Libertadores. De acordo com a FIFpro, vários atletas, receosos com a falta de segurança,  procuraram a entidade.  A FIFPro ainda não se manifestou após a Conmebol anunciar a continuidade da competição.

Com a remarcação dos jogos de sábado (11), a Conmebol precisou adiar as partidas originalmente previstas para hoje(14).  Entre elas, estava o embate entre Ferroviária e Estudiantes de Caracas, da Venezuela, pela segunda rodada do Grupo B. A nova tabela ainda não foi divulgada.

Antes de a competição iniciar, as equipes participantes já vinham tendo problemas por conta da onda de protestos. O Corinthians, por exemplo, precisou trocar de hotel por outro mais afastado do centro de Quito, e também teve um treino de campo cancelado por falta de segurança.

Fonte: Agência Brasil

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 
publicidade
publicidade
publicidade