menu
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Notícias

Manifestantes vão às ruas pelo país em atos contra Bolsonaro

A manifestação convocada por apoiadores de Jair Bolsonaro na manhã desta domingo em Brasília, teve baixíssima adesão

Juliana Caetano, Band Mais

17h40 - 12/09/2021

Atualizado há 10 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Neste domingo, manifestações contra o governo de Jair Bolsonaro aconteceram em 17 capitais brasileiras. Além de pedirem o impeachment do presidente da República, os manifestantes cobraram também a vacinação em massa e o combate à crise econômica. Os atos foram organizados pelo Movimento Brasil Livre (MBL), Movimento Vem Pra Rua e Movimento Livres.

Pela manhã, houve atos no Rio e em Belo Horizonte e, à tarde, em São Paulo, mas com adesão tímida, sem fazer frente à mobilização bolsonarista no 7 de Setembro.

Foram previstas passeatas em 15 capitais, com foco especial dos mobilizadores para as cidades que tiveram grandes multidões na terça-feira passada, com as manifestações bolsonaristas do 7 de Setembro, que incluíram bandeiras antidemocráticas e discursos autoritários de Bolsonaro.

Apesar da adesão de alguns partidos e grupos de esquerda, a principal resistência se deu no PT, que guarda mágoas com os dois grupos organizadores pelos protestos em favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e se incomodaram com o mote “nem Bolsonaro nem Lula”, depois atenuado, na divulgação dos novos atos.

Brasília

A manifestação convocada por apoiadores de Jair Bolsonaro na manhã desta domingo (12), em Brasília, teve baixíssima adesão, e o presidente xingou a imprensa em rede social.


O presidente compartilhou reportagem sobre a baixa adesão ao protesto e uma foto da Esplanada dos Ministérios vazia. À tarde, a Esplanada tinha mais pessoas do que pela manhã, mas a manifestação de opositores do presidente também foi considerada esvaziada

Capitais

No Rio, na praia de Copacabana (zona sul), um carro do Vem pra Rua, movimento lavajatista, seguiu o mote “Nem Lula, nem Bolsonaro”, com um desenho de ambos como presidiários.

Em Vitória (ES), manifestantes organizados pelo MBL, Vem pra Rua e Livres se reuniram na Praça do Papa por volta das 9h30 e depois saíram em carreata pela Terceira Ponte até chegar em Vila Velha (ES).

Convocados pelo MBL, poucos manifestantes se concentraram por volta das 9h em São Luís (MA), na praça do Pescador, na Avenida Litorânea, pedindo o impeachment de Bolsonaro.

Em Manaus (AM), algumas dezenas de manifestantes, convocados pelo Livres e o Novo, se reuniram contra o governo por volta das 9h no Largo de São Sebastião, no centro.

Em Salvador (BA), partidos e movimentos como Novo, PDT e Livres agruparam algumas dezenas de manifestantes no Farol da Barra, a partir das 10h30, em apoio aos protestos do restante do país.

Em Belo Horizonte (MG), o ato aconteceu por volta das 10h na praça da Liberdade, com lideranças do MBL, Acredito, Novo e Rede. Os organizadores pediram que os manifestantes não trouxessem bandeiras e faixas de partidos. Segundo Claudio Pereira, coordenador do MBL no estado, apenas o PDT não seguiu a recomendação.

A manifestação para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) convocada pelo MBL (Movimento Brasil Livre) e pelo VPR (Vem Pra Rua) neste domingo (12) em São Paulo começou com um público menor do que o dos outros protestos realizados contra o presidente na avenida Paulista.

A maior concentração ocorreu na esquina da avenida Paulista com a alameda Casa Branca, ao lado do Masp, na frente do carro de som do MBL. Os manifestantes, porém, não chegaram a ocupar metade de um quarteirão.

A Av Paulista foi completamente fechada para os carros, com o bloqueio de suas duas pistas, entre a rua Augusta e a alameda Campinas

0 Comentário

publicidade
publicidade
publicidade
Mais notícias