menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe
Entretenimento

MasterChef: A Revanche – Com Bentô, Fábio Nunes foi eliminado da competição

O cozinheiro não conseguiu executar o prato japonês do agrado dos jurados

Nativa FM

13h09 - 13/11/2019

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Vindo de um duelo de eliminação contra Sabrina Kanai, o cozinheiro Fabio Nunes esperava encontrar um dia mais tranquilo na cozinha do MasterChef – A Revanche. Porém, ele acabou se deparando com uma prova de sobremesa e dois desafios ligados à gastronomia oriental. Em entrevista ao Portal da Band, o modelo lamentou o tema das provas.

“Quando eu vi que teríamos que fazer uma terrine de chocolate, eu me decepcionei de verdade. Eu estava abalado da prova de eliminação e tinha tomado uma chamada dos chefs em relação à minha sobremesa [na prova em equipe]. Não estava confiante com o tema da prova. Queria fazer uma terrine de porco, sentir o cheiro de fritura, de carne, de sal. Eu estaria muito mais feliz”, disse Fabio.

“Quando a minha terrine desmanchou, eu tinha certeza que iria direto para a prova de eliminação. E tudo bem. Era a chance de fazer alguma coisa que eu tenha mais controle do que uma terrine de chocolate. O guioza, a princípio, era fácil e não me assustou muito. Cozinhei com todo o amor que eu tenho, mas eu não sabia os processos e errei várias etapas. Minha guioza tinha que ter cozinhado mais tempo no vapor e minha tuille ficou parecendo uma panqueca”, lamentou.

“Era uma chance boa para eu me salvar e eu não consegui agarrá-la. Fui para a minha segunda prova de eliminação seguida, me sentindo derrotado, cansado e abalado. Só que não é assim que se cozinha. Você tem que estar confiante e eu não estava nada confiante. Bentô não tem nada a ver com a minha culinária. Admiro bastante a cozinha oriental, gosto de comer, [mas] eu estava esperando outra coisa”, afirmou.

“É muito triste cozinhar dessa maneira e, com certeza, os chefs percebem isso tanto na minha forma de cozinha quanto no sabor. Se e estou feliz, o meu prato está ‘feliz'”, completou. Apesar disso, os jurados Henrique FogaçaPaola Carosella e Erick Jacquin elogiaram o sabor do bentô preparado por Fabio durante o duelo de eliminação.

“Na primeira vez, quando eu fui eliminado, o Jacquin disse que aquela era a melhor omelete de claras que ele já tinha comido. Aquilo foi um consolo para mim durante muito tempo, mas hoje isso não serve de nada porque não é o que realmente importa. O importante era ver os chefs falando que se emocionaram, elogiarem o trabalho e vencer a prova”, disse Fabio.

“Porém, saio feliz do MasterChef porque eu pude dizer o quanto eu admiro os jurados e, principalmente, o trabalho que eles fazem com o programa. Saí há três anos visto como um dos melhores desta temporada, fiz evento com três amigos, trabalhei em restaurante e percebi o quanto essa profissão é importante para o mundo. 90% das cozinhas que eu conheço têm profissionais que não estão preparados para estar lá dentro e acaba existindo muito desperdício de comida. Isso é muito triste de ver”, contou.

“Então, eu decidi começar a criar a minha cozinha e ter mesmo a minha identidade. Eu controlava o que eu queria servir e não tinha desperdício. Dessa vez, pude dizer isso para os chefs e para o Brasil. Com a visibilidade que o MasterChef me deu, eu pude ajudar o projeto Comida Invisível, que mudou a lei no país. Hoje, é permitido doar e receber alimentos. Em 2016, salvamos mais de seis toneladas de alimentos”, revelou.

“Atualmente, o Comida Invisível é uma plataforma online [onde] vários restaurantes doam alimentos e muita gente se beneficia disso. Inclusive, a chef Paola é das doadoras e isso é muito gratificante. Seria perfeito ter o prêmio, o troféu. Era o que eu mais queria. Mas, se eu olho para o que eu tenho e não para o que eu não tenho, eu saio daqui muito feliz”, finalizou.

publicidade
publicidade
publicidade