menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Mesmo após suspensão da alta de ICMS, agricultores fazem protesto na região

Em Campinas, protesto está convocado para as 18h

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

09h50 - 07/01/2021

Atualizado há 8 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Apesar de o governo João Doria (PSDB) ter suspendido ontem 06/01) a revogação do fim da isenção do ICMS para alimentos e medicamentos genéricos, os produtos rurais protestam nesta quinta-feira (07/01) em várias cidades da região como Jarinu e Jundiaí. Em Campinas, o ato está marcado para ocorrer hoje, a partir das 18h, no Largo do Rosário.

De acordo com as entidades, a manifestação foi mantida porque apesar de o governador ter atendido parte das propostas do agronegócio, há outros pleitos que ficaram de fora como nergia elétrica, leite pasteurizado e hortifrutigranjeiros, esses dois últimos fundamentais nas cestas básicas.

Agricultores protestam em Jundiaí

Esses aumentos no ICMS ainda causam grandes impactos no agronegócio paulista, principalmente para os pequenos produtores rurais, que representam 78% do Estado, e para a sociedade como um todo.

Os agricultores estão concentrados em pontos específicos e colocaram em seus tratatores faixas de protestos contra o fim da isenção do tributo.

Agricultores fazem passeata em Holambra/Divulgação: Roberto Torrecilhas/JDB

Ontem, o governo justitificou a suspensão devido à pandemia do coronavírus. Porém, a decisão foi tomada horas antes do protesto marcado para hoje. A mudança em relação à cobrança do ICMS está trazendo desgaste para o governador, já que vários setores, além do agronegócio, estão criticando a decisão. Um deles é o setor automobilístico que afirma que haverá um aumento de mais de 200%.

“A redução de benefícios do ICMS poderia causar aumento no preço de diversos alimentos e medicamentos genéricos, principalmente para a população de baixa renda. Decidimos, assim, suspender a vigência dos decretos estaduais que autorizam redução de benefícios fiscais do ICMS para insumos agropecuários para a produção de alimentos e medicamentos genéricos”, disse Doria.

Produtores de Jarinu protestam contra o aumento de tributo

O Estado criou uma força-tarefa de secretários foi criada na última terça-feira (5/01) para intensificar a análise dos pedidos de setores econômicos para revisão da redução de benefícios fiscais, assim como o diálogo com todos os envolvidos.

A força-tarefa é formada pelo vice-Governador e Secretário de Governo, Rodrigo Garcia, e os secretários da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles; de Projetos, Orçamento e Gestão, Mauro Ricardo; de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen; e de Agricultura e Abastecimento, Gustavo Junqueira. Desde a proposição do pacote na Assembleia Legislativa, o Governo de São Paulo sempre esteve aberto à negociação.

A lei 17.293/2020, aprovada em outubro pela Alesp, autorizou a redução linear de 20% nos benefícios fiscais concedidos a setores da economia. Os produtos que compõem a cesta básica, além do arroz e do feijão, já iriam manter o benefício. O mesmo já estava estabelecido para as transações de medicamentos, equipamentos e insumos para a rede pública de saúde e Santas Casas.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade