publicidade
publicidade
Compartilhe
Notícias

Pandemia aumentou o sofrimento de pessoas que têm sensibilidade a sons

Pequenos ruídos como os de mastigar ou mascar chiclete são sintomas da Misofonia, doença que torna o barulho insuportável

10h00 - 20/09/2020

Atualizado há 5 meses

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Em tempo de isolamento social e de home office, alguns sintomas que passavam despercebidos, vieram à tona e têm levado muitas pessoas a descobrirem que sofrem com problemas relacionados ao ouvido. 

Irritabilidade, desespero, vontade de se isolar e crises de choro são alguns dos sintomas que as pessoas relatam ao ouvirem sons que no dia a dia a maioria não percebe.  Mas, para quem sofre com Misofonia ou Sensibilidade Seletiva a Sons, parece que um amplificador seletivo aumenta  somente estes pequenos ruídos, tirando a atenção de qualquer outra atividade e desencadeando reações fortes de raiva, com crises de taquicardia, mal-estar e até pânico. Esse sintoma dificulta o convívio social, familiar e, principalmente  profissional, situação onde  o individuo passa a ser visto como chato, estranho, intransigente e até arrogante pelos colegas de trabalho.

A maior queixa das pessoas com a doença é que não são entendidos e que todos à sua volta acham que é frescura. A falta do diagnóstico agrava o problema e interfere diretamente na qualidade de vida do portador, principalmente no ambiente de trabalho.

A otorrinolaringologista e pesquisadora Tanit Ganz Sanchez, aceitou o desafio de estudar a “Quadrilha do Ouvido’ há mais de 25 anos. Em relação à misofonia, a pesquisadora constatou que esse sofrimento com sons aumentou durante a pandemia, pois a necessidade de se isolar e conviver mais tempo com a família aumentou o contato com sons irritantes que deflagram as crises de misofonia, impossibilitando a concentração no home office. Alguns pacientes se dizem desesperados com  a situação.

Segundo a médica, a principais linhas de tratamento são a estimulação sonora com sons baixos, leves e estáveis que podem mudar aquela super ativação do centro das emoções (sistema límbico) e do centro da atenção (córtex pré-frontal), além da adoção de medicação e terapia comportamental e meditação.

Para ajudar os que sofrem com a misofonia foi criada uma página no facebook que hoje tem 4 mil pessoas. https://www.facebook.com/groups/misofoniapt/. Além disso, existe a  Associação Virtual Brasileira de Misofonia, que t divulga o assunto e buscar soluções.

Mas o importante é percebemos que pessoas sofrem com os pequenos ruídos e nós podemos colaborar tendo mais empatia com essas pessoas e monitorando os sons desnecessários que nós mesmos fazemos!

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 
publicidade
publicidade
Mais notícias