menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Para acalmar PSDB, Carlos Sampaio fica na liderança do partido em mandato-tampão

Disputa entre tucanos envolveu até o prefeito de Campinas, Jonas Donizette

Blog da Rose

13h55 - 18/12/2019

Atualizado há 10 meses

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A queda de braço entre os tucanos de Minas Gerais e de São Paulo que se materializa na disputa pela liderança do partido na Câmara Federal vai ter uma trégua. O deputado federal Carlos Sampaio ficará no cargo até 1º de Fevereiro, prazo que o presidente nacional da legenda, Bruno Araújo, avalia que haverá um consenso entre os dois grupos.

O ápice da disputa envolveu Campinas com a ida de Luiz Lauro Filho, sobrinho de Jonas, para o PSDB. A missão dele, que tomou posse, ontem (18/12), como deputado federal era votar no candidato do governador de São Paulo, João Doria, Beto Pereira. O seu adversário era o deputado tucano Celso Sabin, do grupo do deputado federal Aécio Neves.

Araújo entrou na jogada porque o grupo de Sabin disse que iria à Justiça para denunciar a manobra política feita pelos tucanos ligados a Dória de levar Luiz Lauro Filho e garantir um voto que daria vitória ao governador de São Paulo.

Sampaio já foi líder da bancada por três vezes: 2013, 2015 e neste ano. “Não quero continuar porque sou contra reeleição, mas acho que até fevereiro tudo estará resolvido”, disse o tucano.

Jonas e o PSDB

A saída de Luiz Lauro Filho do PSB para o PSDB revela uma aproximação cada vez mais forte de Jonas Donizette com Doria e um distanciamento do PSB de Márcio França, ex-governador de São Paulo. A tendência é que o próprio prefeito deixe o PSB e vá para o ninho tucano ou o DEM – partido que faz parte da aliança com Doria em São Paulo.

A manobra de Jonas irritou o França. O PSB de Campinas abriu mão de um deputado, sendo que a legenda chegou a expulsá-lo para evitar que ele possa perder o mandato por infidelidade partidária.

O que dizem nos bastidores é que a ida de Luiz Lauro Filho para o PSDB vai muito além de um voto numa eleição de liderança partidária, mas num acordo futuro para as eleições.

Neste tabuleiro quem perde espaço é o deputado estadual Rafa Zimbaldi (PSB). Ele saiu do PP e migrou para o partido de Jonas com a promessa de que seria candidato a prefeito. Uma aposta é que França pode se aproximar de Zimbaldi, que enfrentaria o candidato de Jonas nas eleições a prefeito do ano que vem. As cartas estão na mesa.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade