menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Prefeito de Sumaré diz que vai tentar impedir o fechamento de serviços no Hospital da cidade

Alas pediátrica e oftalmológica foram fechadas após corte de verbas do governo estadual

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

12h03 - 08/01/2021

Atualizado há 11 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O prefeito de Sumaré, Luiz Dalben (Cidania), em nota, informou que vai tentar impedir o fechamento das alas de pediatria e oftalmologia no hospital estadual da cidade. A medida vai resultar na demissão de 100 profissionais. O governo do Estado cortou verbas da unidade de saúde.

“A prefeitura já está em contato com o Governo do Estado e não medirá esforços para os serviços permanecerem na cidade. Neste momento de pandemia, é imprescindível zelar por uma assistência de qualidade e ampliar ao máximo os atendimentos”, informou ele, em nota.

A ação, porém, pode ser inócua, já que as duas alas – com a suspensão de consultas e exames – foram fechadas ontem (07/01). A medida é resultado de um corte de verbas de R$ 8,7 milhões/ano promovido pelo governador João Doria (PSDB). O mesmo facão atingiu as AMES (Ambulatório Médico de Especialidades) da região de Campinas que vão perder receita de R$ 7,3 milhões ao ano. Serão afetadas unidades de cidades como Limeira, Santa Bárbara D´Oeste e Amparo, entre outras. No total, o corte entre hospitais e AMES será de R$ 19,1 milhões.

A Unicamp, que fez a gestão da unidade hospitalar, disse que não tinha como manter os serviços com o corte de 6,5% das verbas. Além do fechamento das alas, consultas e exames de imagens como

Outro lado

Em nota, a Unicamp, que faz a gestão de Sumaré, disse está cumprindo a eterminação de corte de 6,5% o que implicou no fechamento das unidades, além da suspensão de consultas e exames de imagens como tomografias, ressonâncias e endoscopias foram suspensas.

As consultas que estavam agendadas serão canceladas e redirecionados para a Diretoria Regional de Saúde (DRS-7) reprogramar em outra unidade de saúde.

A Secretaria de Saúde do Estado informou que não haverá desassistência e de que havia ociosidade na pediatria.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade