menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Prefeitura envia Orçamento para a Câmara e gasto com aposentados ultrapassa R$ 1 bilhão

Peça prevê orçamento na ordem de R$ 6,5 bilhões, valor 4,7% maior que o de 2020

Blog da Rose

15h44 - 29/09/2020

Atualizado há 26 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A Prefeitura de Campinas prevê um orçamento de R$ 6,5 bilhões para a cidade em 2021. O projeto de LOA (Lei Orçamentária Anual, que foi enviado nesta terça-feira (29/09), para a Câmara de Vereadores, prevê os maiores orçamentos para Saúde, Educação e para o pagamento das aposentadorias dos servidores. A prefeitura previu apenas 4% de investimento, ou seja, R$ 260 milhões para novas obras.

Saúde terá R$ 1,637 bilhão, um crescimento de 5,11%. Deste total, R$ 1,310 bilhão será destinado para a Secretaria de Saúde, o que significa 2,85% a mais que o orçamento de 2020; e R$ 326,690 milhões para a Rede Mário Gatti de Urgência e Emergência, crescimento de 15,26% também com relação ao anterior.

A segunda área com maior orçamento é a Educação, que receberá R$ 1,284 bilhão, sendo R$ 1,226 bilhão para a Secretaria de Educação e R$ 58,2 milhões para a Fumec. O orçamento das duas pastas cresceu 1,37% no comparativo com o ano passado.

Em terceiro lugar, vem a receita que será destinada ao Camprev – Instituto dos Servidors Municipais: R$ 1. 082 bilhão. Os recursos previstos são para pagamento da folha de aposentados e pensionistas.

Serviços Públicos, responsável pela manutenção na cidade, receberá R$ 417,7 milhões. A Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos terá R$ 210,6 milhões em recursos para o próximo ano.

Encargos Gerais

Outra destinação de recursos que impacta nas receitas do município é o pagamento dos encargos gerais, que para o próximo ano será de R$ 800 milhões, um crescimento de 90,10% em relação ao orçamento atual.

De acordo com a Secretaria de Finanças, nesta rubrica estão previstos recursos para a cobertura do déficit atuarial do Camprev, pagamento das dívidas públicas e precatórios.

Receitas e despesas

Dos recursos previstos para 2021, 70% são próprios (tributários e de transferências constitucionais); 17% são da administração indireta; 7% são recursos federais; 6% estaduais e 0,4% fruto de operações de crédito.

Já as despesas, 44% dos recursos previstos vão para o pagamento de pessoal (ativos e inativos), 45% para custeio e 10% para investimentos e pagamentos de juros e encargos.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade