menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe
Notícias

Produtos da Cesta de Natal podem subir até 13% em Campinas

Panetones, chester e peru, produtos tradicionais na mesa do brasileiro, estão entre os que mais terão alta no valor

Rose Guglielminetti, Band Mais

09h09 - 25/10/2019

Atualizado há 5 meses

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Prepare o seu bolso porque a expectativa é de alta nos preços sobre os tradicionais produtos que os brasileiros colocam na mesa no Natal e no Réveillon. Os aumentos vão variar de 0,5% a 13%, dependendo do tipo de produto. As frutas, por outro lado, têm previsão de queda de 3%.

A explicação para a alta, de acordo com a entidade, é a alta da procura nas duas últimas semanas do ano. Passado esse período, a queda destes produtos é de 40% nos preços – os comerciantes querem desová-los para que não encalhem nas lojas.

Pesquisa da APAS (Associação Paulista dos Supermercados) apontam que os panetones e chocotones, por exemplo, podem subir até 13%, quando comparados ao acumulado do ano.

O peru e o chester, por exemplo, terão aumento de 3,5%. Até setembro essas duas carnes tiverem queda acumulada de 13%. “A queda no preço das carnes atingiu recordes de exportação por conta da alta do dólar e influenciada pela crise da peste suína na China”, disse Thiago Berka, economista da Apas. Os cortes suínos e bovinos também terão alta no preço: 1,5% e 2%, respectivamente.

Em dezembro os doces devem subir. E o chocolate será o protagonista, já que muitas pessoas optam por dá-lo como presente. O produto deve encarecer em torno de 0,7%.

As bebidas também entram neste grupo. As espumantes devem ter alta de 1,5%. O vinho, 0,8% e a cerveja, 0,5%.

Queda

Pelo menos há uma boa notícia: as frutas de época como ameixa, banana-prata, cereja, coco verde, damasco, figo, framboesa, graviola, kiwi, manga, maracujá, pêssego, melão e romã terão uma queda nos preços de 3%.

Frutas terão queda no preço/Divulgação/APAS

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade