menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

PSB estadual manda diretório local cancelar reunião que discutirá situação de Luiz Lauro Filho

Secretário da instância estadual, Pedro José Luiz Coelho, afirma que o ato da expulsão já foi anulado e que cabe agora apenas aguardar o desfecho do processo

Zezé de Lima, Blog da Rose

19h31 - 20/01/2020

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O PSB estadual determinou que o Diretório Municipal do partido cancele a reunião prevista para a próxima quinta-feira, dia 23, em que a legenda ratificaria ou não a decisão da Executiva que expulsou o deputado federal Luiz Lauro Filho (PSDB) da sigla em novembro passado. Uma semana depois da expulsão, Luiz Lauro, o Luizinho, como é conhecido, filiou-se ao tucanato, vindo a ocupar vaga na Câmara Federal no lugar do deputado do PSD Jefferson Campos, que afastou-se por problemas de saúde.

Em um ofício enviado ao presidente do PSB de Campinas e secretário de Relações Institucionais do município, Wanderley de Almeida, o secretário da instância estadual, Pedro José Luiz Coelho, afirma que o ato da expulsão já foi anulado e que cabe agora à instância municipal apenas aguardar o desfecho do processo.

Coelho lembra que o caso já está no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A ação que pede a perda do mandato do deputado Luiz Lauro será relatada pelo ministro Edson Fachin. No entanto, o pedido de liminar, analisado durante o recesso do Judiciário, foi negado no fim de semana passado pela ministra Rosa Weber, que está no plantão.

A expulsão de Luiz Lauro PSB ganhou ares de guerra depois que o deputado estadual Rafa Zimbaldi, ex-correligionário de Luizinho e correligionário do seu tio, o prefeito de Campinas Jonas Donizetti, acusou o ex-socialista de ter “engendrado” a sua expulsão. A versão que circulou em todos os meios políticos foi comprada pela executiva estadual, que também viu a decisão da executiva local como uma forma de possibilitar a saída de Luiz Lauro do PSB sem perder o mandato. Dessa forma, ao migrar para o PSDB, ele pôde assumir a vaga aberta pelo PSD, coligado com os tucanos nas eleições de 2018.

Para analistas políticos, a expulsão pouco explicada tratou-se de uma manobra envolvendo tanto Jonas como o governador paulista João Doria (PSDB). Doria apoiava o nome de Beto Pereira (MS) para a liderança da Câmara dos Deputados, enquanto que o grupo de Minas Gerais, de Aécio Neves, queria Celso Sabino (PA). Com 13 parlamentares de cada lado, a chegada de Luizinho desequilibrou o jogo para o lado de Pereira. A manobra dividiu ainda mais o tucanato, a ponto de o presidente da sigla, Bruno Araújo (PB) adiar a eleição do líder e manter o campineiro Carlos Sampaio (SP) na cargo por mais três meses.

O blog tenta contato com Luiz Lauro Filho e a executiva municipal do PSB.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

publicidade
publicidade
publicidade