menu 25-anos
publicidade
publicidade
Compartilhe

PSB recorre ao TSE para reaver mandato de Luiz Lauro Filho depois de instância estadual reverter expulsão

Relator do processo é o ministro Edson Fachin; não há prazo para definição

08h27 - 16/01/2020

Atualizado há 2 meses

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O PSB nacional já está com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o deputado federal Luiz Lauro Filho (PSDB), o Luizinho. O relator do processo em que o partido tenta reaver o mandato do parlamentar é o ministro Edson Fachin, que também analisa um pedido de liminar até que se chegue à decisão final.

O imbroglio vem desde o final ano passado, quando Luizinho, sobrinho do prefeito Jonas Donizette (PSB), foi expulso do PSB pela Executiva Municipal, presidida pelo atual secretário Municipal de Relações Institucionais, Wanderlei de Almeida, sem uma explicação convincente para o partido. Até hoje, a versão para a saída repentina é que tratou-se de uma manobra para que Luizinho assumisse vaga na Câmara aberta por partido que integrou coligação tucana em 2018.

A artimanha teria envolvido o prefeito Jonas, o governador João Doria (PSDB) e o próprio político. Luizinho foi expulso, migrou para o PSDB e teve tempo para reforçar o time do chefe do Executivo paulista na Câmara com a licença de um parlamentar do PSD, garantindo a ele maioria para eleger Beto Ferreira líder da bancada dos tucanos. Doria disputava com o grupo de Aécio Neves (MG), que queria Celso Sabino. A eleição do líder, no entanto, acabou sendo adiada por falta de consenso e só será realizada em 1º de fevereiro.

Essa versão, inclusive, foi usada pelo deputado estadual Rafa Zimbaldi (PSB) para pedir à Executiva Estadual do seu partido a reversão da expulsão. Zimbaldi ainda alegou que a Executiva Municipal extrapolou o seu poder. Ele foi atendido e Luizinho teve prazo para voltar ao PSB e evitar a ação no TSE. No entanto, recorreu da contra-expulsão. Disse que apenas ele, o atingido, poderia questionar a decisão da Executiva Municipal.

O deputado não retorna as ligações da reportagem.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade