menu 25-anos
facebook
publicidade
publicidade
Compartilhe
Entretenimento

Record Tv e Bacci são condenados em R$ 30 mil por acusar homem de assassinato

Seu nome e imagem foram expostos no programa

Nativa FM

13h13 - 12/12/2019

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A 2ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou a Record TV e o apresentador Luiz Bacci a pagar uma indenização de R$ 30 mil por danos morais.

A condenação ocorreu pois o programa “Cidade Alerta”, comandando por Bacci, acusou um homem de cometer um homicídio qualificado em abril deste ano. Mas o homem acusado pelo programa, consequentemente por Bacci, não tinha nada a ver com a história que foi exibida.

Segundo informações, o homem foi apontado como um terceiro suspeito procurado pela Polícia de um crime que seu sobrinho teria cometido. A sua imagem e seu nome foram citados no jornalístico falando do caso.

O falsamente acusado chama Marcos Ribeiro dos Santos. Ele alegou no processo que após ter a divulgação da matéria no programa, ele virou alvo de uma verdadeira “caçada” nas redes sociais, de pessoas que o queriam ver preso, achando que ele fosse um criminoso. O acusado teve que apagar seus perfis e se isolar.

Para se defender, a Record TV disse que somente relataram as informações obtidas através da investigação policial. A emissora reforçou que as matérias veiculadas no Cidade Alerta tem cunho informativo apenas, sem intenção alguma de causa dano a ninguém.

A juíza de direito Beatriz Sylvia Straube de Almeida Prado Costa, que julgou o caso, acatou o pedido do homem. Para ela, o programa, o apresentador e o canal ultrapassaram a liberdade de imprensa protegida por lei, ofendendo a dignidade e honra de Gessi Marcos Ribeiro dos Santos.

“O dano moral sofrido pelo autor suplanta em muito, o “meroaborrecimento”, e enseja plenamente sua reparação. Resta tão somente fixar o valor da indenização, de forma que seja suficiente para reparar os prejuízos sofridos, sem, no entanto, determinar o enriquecimento do autor em detrimento dos réus”, afirmou a juíza.

Apesar da condenação, a emissora ainda pode recorrer da decisão, que é de primeira instância.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

relacionadas

publicidade
publicidade
publicidade