publicidade
publicidade
Compartilhe

Imagem: Internet

Notícias

Agentes do CCZ fazem combate a leishmaniose em Birigui

A doença é transmitida pelo mosquito-palha

Band Paulista

08h21 - 22/02/2021

Atualizado há 6 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Agentes do Centro de Zoonoses de Birigui, passam de casa em casa e fazem o exame de sangue nos cães. A medida serve para o levantamento que tem o intuito de detectar se animal está contaminado ou não. O objetivo é de controlar o número de casos de leishmaniose.

A secretaria está fazendo um levantamento para o diagnóstico da doença em cães e o trabalho é desenvolvido anualmente pelos agentes de endemias em locais com maior incidência ou quando há casos positivos da doença em humanos.

Conforme dados divulgados pelo município, Birigui realizou 2.844 coletas, sendo 146 casos positivos em 2019. No ano seguinte foram 1.777 coletas e 94 casos confirmados de leishmaniose. Em janeiro deste ano, foram realizadas 131 coletas que aguardam o resultado da Secretaria de Saúde.

De acordo com especialistas no assunto, o mosquito-palha costuma ser o transmissor do protozoário da leishmaniose em áreas urbanas. A leishmaniose é uma doença infecciosa sistêmica, transmitida ao homem somente pela picada do inseto vetor infectado, o Lutzomyia longipalpis, conhecido como mosquito-palha.

Segundo João Paulo Salatino Lacerda, diretor de Bio Segurança, uma pessoa infectada pode apresentar febre durante semanas, fraqueza, perda de apetite, emagrecimento, anemia, palidez, aumento do baço e do fígado, comprometimento da medula óssea, problemas respiratórios, diarreia e sangramentos na boca e no intestino. A doença também pode levar à morte.

Já nos cães os sintomas são crescimento das unhas, queda dos pelos, feridas na pele, secreção ocular, emagrecimento e perda do apetite o importante de tudo ainda é a prevenção.

0 Comentário

publicidade
publicidade