publicidade
publicidade
Compartilhe

Imagem: Internet

Saúde

LIRAa em Araçatuba tem queda em relação ao ano passado

Números da dengue estão em baixa

Band Paulista

20h00 - 18/02/2021

Atualizado há 9 dias

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

A secretaria municipal de Saúde, de Araçatuba, divulgou nesta quinta-feira (18) o resultado do primeiro Levantamento do Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa) realizado em janeiro de 2021.

Os resultados foram 4,3 para Índice Predial (IP), que está relacionado aos imóveis positivos para larvas do mosquito, e 5,8 para o Índice de Breteau (IB), que considera os recipientes com larvas nas casas. No mesmo período do ano passado, o resultado foi de 7,1 para Índice Predial e 9,7 para Índice de Breteau.

De acordo com a médica veterinária do Nasf (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), Talita Carolina Bragança de Oliveira, em janeiro deste ano foram registrados 36 casos positivos de dengue e em janeiro de 2020 foram 276 casos.

ESTRATÉGIA DE TRABALHO

Com a integração dos serviços os agentes de combate às endemias foram para as Unidades Básicas de Saúde, em conjunto aos profissionais de saúde, as tomadas de decisões foram mais assertivas.

Os locais de maior infestação são monitorados e são realizadas ações direcionadas às realidades de cada localidade, como nebulização e ações educativas intensificadas.

“A queda no LIRAa é fruto de empenho das equipes de endemias, além de ações focadas a cada território. A partir desses resultados, há uma avaliação e monitoramento dos indicadores, que norteiam as ações”, relata Talita.

FOCOS DE DENGUE MAIS COMUNS

As larvas encontradas nesse LIRAa estiveram, principalmente, nos bebedouros dos animais, vasos de plantas, pratos e pingadeiras, baldes e regadores, além dos pneus.

“A vigilância da dengue precisa ser constante, por isso a inspeção da residência pelo morador precisa ser diária por meio da eliminação de recipientes que não são utilizados e o cuidado dos que são úteis. Além da adaptação do que é usado, visando sempre não acumular água evitando assim larvas do Aedes aegypti”, finaliza Talita.

0 Comentário

publicidade
publicidade