menu 25-anos
facebook
publicidade
publicidade
Compartilhe
Notícias

Seis dicas para não surtar durante a pandemia da covid-19

Estudo mostra que um isolamento social por mais de 10 dias gera ansiedade e aumentar o estresse

Rose Guglielminetti, Band Mais

11h08 - 26/04/2020

Atualizado há 1 mês

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Um isolamento social com mais de dez dias já é o suficiente para aumentar o estresse a ansiedade e o nervosismo, aponta pesquisa da King’s College of London. No Brasil, a quarentena, que começou no dia 23 de março, já atravessou um mês e, por enquanto, vai até o dia 10 de maio.

Levando em conta este estudo, os brasileiros já estão submetidos ao risco de deterioração da saúde mental provocada pelo isolamento social e o ócio. Neste período, as pessoas têm ficado mais tempo em casa e com isso há espaço para pensamentos aleatórios e com menos contato com pessoas para expressar sentimentos e opiniões, o que faz com que o estresse aumente . Alguns efeitos colaterais da ansiedade também são visíveis, como a alimentação compulsória. E sem se exercitar e, comendo mais, os quilos extras se tornam realidade, mais um fator para se estressar.

Os principais transtornos são o medo de infecção que se torna exagerado, frustração e irritabilidade ocasionados pelo tédio e baixa produtividade que temos em casa, consumo compulsivo fruto do medo da escassez de produtos, desconfiança de que se está sendo privado de informações – o que propícia a disseminação de fake news – além do agravamento de doenças já existentes como depressão e TOC.

Situação semelhante é enfrentada por Laryssa Holanda, 23. A estudante que mora em Barueri sofre com transtornos depressivos e de ansiedade e conta que a quebra de rotina e as incertezas a deixam muito mais ansiosa e que costumava sair, para amenizar os efeitos, porém, em casa tem sido muito difícil se controlar, “Me manter ocupada o tempo todo é o que tem me ajudado, além da medicação” diz ela.

Dicas para não surtar

A psicóloga e hipnoterapeuta Sabrina Amaral dá seis dicas para reduzir os danos psíquicos da quarentena:

A primeira orientação é transformar o medo em algo útil. Você deve usar o medo a seu favor como forma de se prevenir da doença.Quer um exemplo? Se tem medo de pegar o vírus nos locais públicos, deve usar máscara.

Outro ponto importante é manter contatos, ter pessoas para conversar, desabafar sobre suas conquistas, frustrações e experiências.

Uma dica que ajuda a controlar a ansiedade é informar-se somente do necessário e em determinadas horas do dia ajuda. O bombardeio de informações pode causar crises de ansiedade e pânico.

Manter o controle da realidade também é a quarta dica da psicóloga. Seja realista. É importante tratar a pandemia com cuidado e respeito, não se trata de uma gripe apenas, porém, é importante não entrar em pânico.

Crie uma rotina. Seu cérebro sentirá mais confiança e menos insegurança com o instabilidade ocasionada pelas incertezas do futuro. Viva um dia de cada vez. O ideal é ter hora para acordar, comer, fazer exercícios e dormir.

Por último, seja objetivo e estabeleça pequenas metas para não perder a produtividade.


Com a informação de Luis Eduardo

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

publicidade
publicidade
publicidade