menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

“Sou contra a obrigatoriedade da vacina da covid-19”, diz Jonas

Governador de São Paulo defende vacinação compulsória para todos os moradores do Estado

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

12h36 - 23/10/2020

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB) disse nesta sexta-feira (23/10) que é contra a obrigatoriedade da vacina contra a covid-19.  A manifestação do prefeito se dá após a politização e briga entre governador de São Paulo, João Dória (PDSB) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesta semana. sobre a adoção da vacina contra a doença.

O tucano disse que quando a vacina for aprovada irá obrigar toda a população a se vacinar contra o coronavírus. Bolsonaro, por sua vez, diz que é contra. Além disso, a queda de braço aumentou após o Ministério da Saúde ter voltado atrás de uma decisão de comprar 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina chinesa que está sendo testada e que, se aprovada pela Anvisa, será produzida pelo Instituto Butantan. A Unicamp está promovendo os testes da vacina chinesa em Campinas.

“Somos favoráveis à vacina seja ela qual for a nacionalidade. Até porque estamos num mundo globalizado e a vacina inglesa, por exemplo, tem componentes chinês. Vamos recomendar para que todos tomem a vacina, mas, em Campinas, somos contra a obrigatoriedade”, disse o prefeito.

Ele também condenou a politização do medicamento. “Eu acho um desperdício essa guerra (Doria e Bolsonaro). Não vou fazer juízo de valor em relação a quem está certo ou errado, mas o debate está muito ideológico”, ressaltou Donizette.

O secretário da Saúde, Carmino de Souza, também é contra a obrigatoriedade da vacina. “A obrigatoriedade é difícil porque esbarra no direito individual. No Brasil, nenhuma vacina é obrigatória. Estamos lutando para que as pessoas venham se vacinar neste mês. Estamos lutando. Agora a discussão é completamente extemporânea até porque não vai ter vacina para todo mundo”, alertou ele, acrescentando que a Saúde deve definir quais grupos irão ser imunizados neste primeiro momento.

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 
publicidade
publicidade
publicidade