menu 25-anos
facebook
publicidade
publicidade
Compartilhe

Comunicação Urbes/ Arquivo

Notícias

Transporte público continua paralisado neste sábado em Sorocaba

Sindicato afirma que não houve avanço para acordo

Band Mais

07h07 - 25/04/2020

Atualizado há 1 mês

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Os moradores de Sorocaba continuam sem transporte público neste sábado (25/04). O Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região informou no final da noite de sexta-feira (24/04) que, até o momento, a negociação com as empresas não avançou para um acordo. Portanto, os trabalhadores em transporte urbano de Sorocaba permanecerão em protesto e o transporte continuará paralisado neste sábado.

Segundo o Sindicato dos Rodoviários, o protesto é porque as empresas, além de não pagarem corretamente o salário de março e não pagarem o adiantamento salarial no dia 20 deste mês, está encaminhando carta de demissão aos trabalhadores.

Grave situação de arrecadação

O Consor e a STU, em nota, enviada na sexta-feira (24/04), “pedem desculpas à população sorocabana pela falta de transporte na cidade e esclarece que também foram surpreendidos pela ação de paralisação feita pelo Sindicato dos Rodoviários”
“Conforme informamos nos últimos dias, estamos enfrentando uma grave situação de arrecadação devido à pandemia do Covid-19. O isolamento social gerou a queda no transporte de passageiros e, consequentemente, impactou no faturamento das empresas. Recebemos o apoio financeiro da Prefeitura que ajudará somente em parte do pagamento das despesas referente a circulação de 40% da frota, porém para os 60% restantes não há recurso disponível em caixa”, explica a nota.
Quanto às dispensas, as empresas também se manifestaram. “Diante da realidade e contrário à vontade das empresas, não temos outra opção senão dispensar parte dos colaboradores. Lamentamos profundamente essa medida, mas foi a única solução encontrada para que alguns postos de trabalho sejam preservados e evitemos o fechamento total da operação pela falta de subsídio. Pela vontade das empresas, todos estariam trabalhando e recebendo seus pagamentos corretamente como lhes é de direito. No entanto, as consequências da pandemia estão indo muito além de afetar a saúde física dos brasileiros. Agora, é a saúde da economia que está adoecendo”.
A Medida Provisória 936/20 também foi citada. “Aproveitamos a oportunidade para explicar que o Sindicato aceitou o acordo com base na Medida Provisória 936/20 para a redução de salarial conforme a carga horária de trabalho. Porém, a entidade deseja que o rodoviário trabalhe metade e exige que receba a remuneração total. O que não é possível pela falta de caixa das empresas. A proposta colocada pelas empresas é a condição possível para o atual momento*.  
“O Consor e a STU repudiam a situação de violência e depredação ocorrida na garagem da STU na tarde de hoje (24/4) e reafirma o posicionamento de que soluções devem ser buscadas por meio do diálogo e da união. Para nós, cada profissional representa uma família e sabemos que todos são importantes, por isso, seguimos firmes com o propósito de fazer o melhor dentro das nossas possibilidades e deveres.

Violência e depredação

Em nota, na noute de sexta-feira (24/04), o Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região afirma que as empresas Consor e STU “faltaram com a verdade ao afirmar que ocorreu suposta ‘violência e depredação’ na garagem da STU na tarde desta sexta-feira, 24. O Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região entrou em contato com as chefias internas das empresas, que são responsáveis pelo controle da frota nas garagens, e eles informaram que não existiu qualquer tipo de dano material aos ônibus, seja depredação ou outra forma de violência.
O Sindicato dos Rodoviários lamenta mais essa postura de desrespeito das empresas, que em nada contribui para resolver as questões trabalhistas e para restabelecer a operação do transporte na cidade”.

Cida Haddad/ Eko Digital

0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

publicidade
publicidade
publicidade