menu 25-anos
facebook instagram
publicidade
publicidade
Compartilhe
Blog da Rose

Vices de Orsi e Teresinha sofrem novos pedidos de impugnação de candidaturas

Capitão Pereira e coronel Sotto são alvos de adversários políticos

Rose Guglielminetti, Blog da Rose

19h02 - 05/10/2020

Compartilhe whatsapp facebook linkedin

Capitão Pereira, vice de Artur Orsi (PSD) à Prefeitura de Campinas, e coronel Sotto (PTB), vice da delegada Teresinha (PTB), sofreram novos pedidos de impugnação de suas candidaturas na Justiça Eleitoral.

Capitão Pereira é policial militar

Entrou contra a candidatura de Pereira o PMN, representado por Ahmed Tarique, candidato a prefeito da cidade, que alega que o policial militar não cumpriu o prazo de desicompatilização do cargo de ser servidor público que é de quatro meses. Alega ainda que o afastamento é apenas formal e sustenta que Pereira continua atuando. Essa afirmação se dá devido a um vídeo que foi gravado pelo candidato na sede da 1ª Cia da PM, no Jardim Santa Odila. Pereira, rodeada de outros policiais, gravou um vídeo pedindo ajuda para localizar parentes de uma mulher que estava perdida. “Uma atribuição típica de militares na ativa”, escreveu a advogada do PMN, Solange Camargo.

Já em relação a Sotto, o pedido de inelegibilidade foi feito pelo vereador Tenente Santini em função de o candidato a vice do PTB não estar filiado qualquer partido. O candidato só poderá concorrer ao cargo eletivo se estiver filiado seis meses antes das eleições majoritárias ou proporcionais. O parlamentar sustenta que Sotto não poderá justificar que não poderia ser filiado a partido político porque é militar. “Não é o caso do requerido, que não era militar da ativa quando da Convenção do PTB. Dados obtidos do RRC do requerido dão conta de ser ele militar reformado, podendo, então, ter se filiado a qualquer partido político”, diz o texto do pedido.

Dia do anúncio da candidatura de Sotto e Teresinha

Agora cabe à Justiça Eleitoral avaliar os pedidos.

Outro lado

A assessoria da campanha de Pereira disse que estuda entrar com uma ação contra o candidato do PMN por má-fé. “Nada do que ele está apontando é passível de impugnação. Como ele tem insistido, estudamos entrar com uma ação por má-fé”, diz a nota.

A assessoria de Sotto ainda não respondeu.



0 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios.

 
publicidade
publicidade
publicidade